OEE – Overall Equipment Effective

OEE – Overall Equipment Effective


Esse indicador foi criado e desenvolvido pelo Japan Institute of Plant Maintenance. Ele permite medir os resultados que surgem do conceito TPM (Total Productive Maintenance). Também simboliza a medida de agregação de valor de um equipamento ou em toda a linha de montagem. Através desse indicador o equipamento é submetido a três fatores: disponibilidade, performance e índice de qualidade. Geralmente, não há uma única definição deste indicador em normas, porém é uma maneira muito aceita mundialmente para medir uma situação atual, identificação de melhorias necessárias e acompanhamento da evolução. Outro fator é a criação de um ambiente de pensamento e aplicação do OEE para aprimorar o desempenho de equipamentos em cada empresa e linha de produção. A prática Na prática, o OEE ajuda a identificar as perdas não previstas do equipamento. No cálculo, é necessário subtrair da disponibilidade teórica (24 horas / dia; 365 dias / ano), o montante de paradas planejadas pela empresa. Paradas planejadas As paradas planejadas podem ter diferentes motivos como manutenção planejada, horários de almoço ou janta, greve, ausência de ordem de produção, férias ou paradas planejadas da operação. Planejamento A aplicação do OEE depende do consenso da empresa, a partir de quando se trata de uma parada não planejada. Significa um trabalho muito grande na maioria das empresas em determinar essas fases de produção. Sabemos que possíveis perdas causadas por ocorrências menores entrarão assim no fator de performance na empresa. Porém, caso haja troca de ferramentas, dispositivo ou algo semelhante o indicador de eficiência da máquina deve ser revisto. Aumento de produção Quando há elevação de produção, é preciso aumentar o OEE, o que pode prejudicar o planejamento da empresa que procura ter uma produção enxuta, pois isso aumentará os estoques e o custo com despesas financeiras. A melhor maneira de lidar com tempos de parada é trabalhar com um tempo padrão para trocas de ferramentas. O tempo planejado não vai reduzir a perda prevista enquanto a duração é inferior ou igual na real comparando com o tempo objetivo de produção. É fundamental realizar o plano de trocas e estudar melhorias através através de metodologias como o SMED (troca rápida de ferramentas). Fator Disponibilidade Dentre os indicadores temos o fator da disponibilidade que existe para medir perdas por paradas não planejadas. O fator de disponibilidade se reduz pelas paradas de equipamento causadas por ocorrências como falta temporária de mão-de-obra, falta temporária de materiais, falta de ordem de produção, manutenção, ordem de retenção do Setor de Qualidade e falta de energia. Essa primeira parte corresponde ao quanto a máquina de produção e as máquinas das linhas de produção estão disponíveis para serem utilizadas. Por exemplo, vamos supor que uma máquina injetora foi instalada recentemente numa planta de produção, e o objetivo é que sejam injetados produtos durante dois turnos de 8 horas cada. Dessa forma, a disponibilidade da máquina são de 16 horas diárias. Fator Performance Esse é outro indicador do OEE, cujo fator mede as perdas em relação ao volume a ser produzido dentro do período determinado. Ele se baseia no tempo realmente produzido e não ao tempo de disponibilidade. Depende do desempenho pelo qual a empresa pretende se desenvolver. Na prática, numa linha de montagem ou com um determinado equipamento esse indicador é mais fácil de ser utilizado. Estamos dizendo que o fator performance mede quanto a máquina produz. E no exemplo da injetora que falamos no item anterior poderia ser definido um tempo padrão como 200 peças por minuto, sendo esta a performance esperada. Mas, se a produção for inferior a esse valor estimado de desempenho, o desempenho não será pleno e será inferior a 100%. Fator Qualidade Também compondo o indicador OEE, a qualidade é um importante indicador para medir perdas por produtos defeituosos. Muitas empresas apresentam dificuldade de identificar o verdadeiro responsável por não identificar os erros no equipamento. Dessa forma, o OEE torna-se num indicador de processo, e não apenas de equipamento de uma linha de produção. A grande importância é enxergar os indicadores corretos de qualidade para que o produto final não tenha erros e defeitos. Neste terceiro fator do OEE é importante ter alta disponibilidade e alto desempenho, mas se os produtos finais apresentam problemas, o resultado será negativo. Sendo assim a preocupação com a qualidade do produto entra nesta fórmula para garantir que o cliente seja bem atendido. O desvio ou desperdício de material é uma medida de quantos produtos com defeito estão sendo produzidos e que estão desperdiçando material. A informação para uma análise pode ser obtida pelo próprio operador em relação às peças boas e ruins, ou através de testes de produto na própria linha de produção. A medição de qualidade também pode ser alcançada através de uma análise de amostragem por lote na produção em tempo real. Cálculo do OEE O cálculo da eficiência da máquina é o produto dos fatores de disponibilidade, performance e qualidade. A fórmula é a seguinte: OEE = Fator Disponibilidade x Fator Performance x Fator Qualidade x 100% A partir dos percentuais abaixo podemos exemplificar o uso do OEE: OEE = 0,75 x 0,85 x 0,95 x 100% = 60,56% Com este percentual conseguimos demonstrar o quanto do percentual planejado realmente foi utilizado para uma produção eficiente. Temos no exemplo acima quase 40% de perda. Sendo visível onde há um potencial de melhoria, neste caso no fator Disponibilidade e Performance.